"Reprodução Google Imagens"

Vazamento de mensagens da Operação Lava jato

O Sr (a) tomou conhecimento sobre o vazamento de mensagens entre o ministro e ex-juiz Sérgio Moro e Procuradores integrantes da força-tarefa da Lava Jato?

As pesquisas do Instituto para mostraram que 56,1% dos brasileiros que tomaram conhecimento dos vazamentos das supostas conversa entre o ex-juiz Sergio Moro com Membros do Ministério Público, publicada pelo site The Intercept, acreditam que não colocam em risco a operação Lava Jato.

Os dados da pesquisa indicaram que 38,1% consideram que o conteúdo dos diálogos põe em xeque os resultados da Lava Jato.

Outros 5,8% não responderam. Veja na integra o estudo do Paraná Pesquisas e foi divulgada hoje, terça-feira (25.

O Levantamento do Paraná Pesquisas ouviu 2.019 pessoas por telefone de 17 a 21 de junho de 2019, em 176 municípios em todo país. A margem de erro é de 2 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%.

Vejam na integra o levantamento do Instituto Paraná Pesquista

A repostagem investigativa do Gmundonews fez o levantamento do caso

O jornalista Glenn Greenwald revelou um suposto escândalo na Operação Lava Jato, já atuou no The Guardian e colaborou com a reportagem que venceu o Prêmio Pullitzer em 2014, sobre os escândalos da Agência de Segurança Nacional – EUA vazados por Eduard Snowden.

Um dos fundadores do The Intercept, que possui uma edição internacional e uma edição brasileira.

De nacionalidade americana, casado com o deputado federal David Miranda (PSOL-RJ), que assumiu no lugar do ex-deputado federal Jean Willis.

As suspeitas é que o objetivo de Greenwald  é abalar as estruturas do judiciário brasileiro. Outra informação é que, o Jornalista americano usa site para alavancar carreira do marido.

A versão brasileira do The Intercept desde 2016 tem adotado uma linha editorial que passa longe da isenção esperada de um veículo de imprensa internacional.

Os artigos servem apenas aos seus interesses.

O site, que afirma ser de jornalismo investigativo independente, segue a agenda política de Miranda e apresenta reportagens favoráveis às ideias dele e críticas aos opositores.

Estranhamente o site publicou conversas onde as denúncias apenas eram voltadas ao ministro Sérgio Moro e nunca relacionado aos escândalos dos governos petistas. Nada relacionado ao governo Temer.

A senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP), também rackeada, informou que fez um “comentário”, e não uma “demanda”, ao mandar mensagem ao ex-juiz federal e atual ministro da Justiça, Sergio Moro.

Assim ela desmente Greenwald.

Gabrilli confirmou que existiu a mensagem divulgada, onde ela se queixa de dificuldades para que o Ministério Público em São Paulo investigassem o caso.

Porém, o ex-juiz encaminhou a queixa ao procurador Deltan Dallagnol, O site alterou as informações.

Desta forma, Gabrilli da ênfase aos procuradores das suspeitas que hackers poderiam ter forjado conversas, na parte que Gabrilli informou que “procurava todo mundo” a respeito do assassinato do prefeito de Santo André (SP) Celso Daniel, ocorrido em 2002.

Gabrilli percebeu uma conexão entre o caso Celso Daniel e a Lava Jato a partir de investigações da força-tarefa que chegaram a Ronan Maria Pinto, acusado de envolvimento em um esquema de corrupção no setor de transportes públicos de Santo André na gestão de Daniel.

Gabrilli pertence a uma família ligada a empresas de ônibus em Santo André e sua irmã depois de sofrer ameaças, mudou para o Rio Grande do Norte.

Greenwald  não contou que a divulgação da conversa, a senadora teve receio pela vida de Marcos Valério, principal articular do mensalão do PT. “Eu estou com muito medo que aconteça alguma coisa com Marcos Valério e nunca iremos desvendar esse mistério do assassinato do ex-prefeito Celso Daniel (PT), de Santo André”. Valério teria relatado chantagem por silêncio sobre o caso.

Gabrilli está convicta que a divulgação da conversa revelada por Greenwald veio à tona e pode existir um importante desdobramento sobre o caso Celso Daniel. Entretanto, a Senadora ressalva que o vazamento foi ilegal.

Encerra a conversa revelando que tem uma grande admiração pelo ex-juiz e atual ministro Sérgio Moro.

Veja também

Hackers: da invasão da privacidade à ameaça da soberania nacional! Gravação da live feita pelo Professor no dia 10/06/2019, a propósito da invasão das contas de celulares e aplicativos do Min. da Justiça Sérgio Moro e do Procurador da República Deltan Dallagnol Edilson Mougenot Bonfim Procurador de Justiça Criminal do Ministério Público do Estado de São Paulo, foi Presidente do I Congresso Mundial do Ministério Público realizado em SP no ano 2000, promovido pela APMP com apoio do Ministério da Justiça, Ministério das Relações Exteriores e Procuradoria-Geral da República. Doutor em processo penal pela Universidade Complutense de Madri. Fundador da Escola de Altos Estudos em Ciências Criminais. Professor e Conferencista Internacional, publicou dezenas de livros no Brasil e no exterior.

 

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here