Amapá: PF investiga contratação de servidor “fantasma” na ALAP

Os investigados poderão responder pelos crimes de organização criminosa, peculato e corrupção eleitoral, cujas penas somadas alcançam 24 anos de reclusão.

0
85

A PF deflagrou, na manhã desta sexta-feira (20/5), a Operação Divisio e cumpriram de três mandados de busca, expedidos pelo Tribunal Regional Eleitoral – TRE/AP e apreensão em Macapá, que apura crimes de peculato, corrupção eleitoral e organização criminosa.

Na operação, os policiais recolheram documentos, celulares e materiais de mídia que corroboram com as investigações, que apontam para suposta contratação de servidores fantasmas, em gabinete da Assembleia Legislativa do Estado do Amapá (ALAP), além de compra de votos.

Conforme informações da PF, pelo menos desde 2020, um assessor repassava valores do gabinete para terceiros de maneira indevida e sequer comparecia ao local de trabalho.

Dois mandatos foram cumpridos nas casas de dois investigados e outro fez buscas e apreensão no gabinete do deputado estadual Zezinho Tupinambá (PSC).

Conforme a Polícia Federal existem fortes indícios de um esquema de recrutamento de eleitores e de compra de votos, com participação ativa de servidores do Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (IAPEN).

Os investigados poderão responder pelos crimes de organização criminosa, peculato e corrupção eleitoral, cujas penas somadas alcançam 24 anos de reclusão.

Veja também

Ceará: PF combate esquema de corrupção

Jornalista Hernane Amaral,

Portal GmundoNews

Me acompanhe no Facebook

Me acompanhe no Instagram

Youtube

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui