11 C
New York
quinta-feira, junho 17, 2021
HomePolíticaAntes do impeachment, Lava Jato recusou delação usada para prender Temer em...

Antes do impeachment, Lava Jato recusou delação usada para prender Temer em 2019

source
Michel Temer (MDB) arrow-options
Aloisio Mauricio/Fotoarena/Agência O Globo – 9.5.19

Michel Temer (MDB) se entrega à PF em São Paulo

Duas semanas antes do afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2016, e seu vice Michel Temer (MDB) assumir o Planalto, a operação Lava Jato rejeitou a delação premiada que deu suporte à prisão do ex-presidente em março de 2019. É o que mostra mais uma série de diálogos vazados, obtidos pelo site The Intercept Brasil e divulgados pelo El País nesta sexta-feira (18). 

Leia também: FHC chama Bolsonaro de “tosco”, diz que nunca o viu na vida e que “nem deseja”

A delação foi feita pelo empresário José Antunes Sobrinho, sócio da construtora Engevix, que relatou um pagamento de propina de R$ 1 milhão a Temer . A proposta foi encaminhada aos procuradores  da Lava Jato em 4 de abril de 2016. A força-tarefa, no entanto, considerou que as declarações não atendiam ao “interesse público” e recusaram o acordo de delação. 

Nesse mesmo dia, o então advogado-geral da União José Eduardo Cardozo fazia a defesa de Dilma durante a Comissão do Impeachment na Câmara. Em Agosto de 2016, o Senado confirmava o impeachment da petista.

Em 21 de junho de 2017, quando Temer já estava no poder, o procurador Athayde Ribeiro chegou a dizer, durante uma conversa de Telegram, que a delação rejeitada era um “anexo-bomba”. 

Após a divulgação do áudio entre Joesley Batista e Temer, em 2018, a delação de Antunes foi homologada. O empresário assinou o acordo diretamente com a Polícia Federal, e não com os procuradores, quando faltavam apenas 6 meses para Temer deixar o poder. 

No fim de fevereiro deste ano, Antunes prestou um novo depoimento a procuradores do Rio de Janeiro e repetiu as declarações de 2016. Um mês depois, com base no relato, Temer foi preso preventivamente. 

Em entrevista ao El País , o então procurador-geral Rodrigo Janot, responsável por rejeitar a delação em 2016, defendeu a decisão. “Você acha que o Supremo ia me autorizar a investigar o vice-presidente da República com algo que não era consistente?”, afirmou.  “Não era acordo relevante para a gente. Tanto foi que quando teve algo concreto, [Temer] caiu. Caiu não, mas foi processado duas vezes”. 

Procurada pelo jornal, a força-tarefa da Lava Jato afirmou que “houve consenso entre mais de 20 procuradores” sobre a delação envolvendo Temer não despertar o “interesse público” em 2016. Eles não responderam sobre a razão da mesma delação ter sido usada para prender Temer em 2019.

Leia também: O outro lado de Bivar: conheça o romance erótico do presidente do PSL

“Relatos de colaboradores avaliados como inconsistentes, incompletos ou desprovidos de provas podem ser recusados”, afirmou o Ministério Público do Paraná, em nota ao El País . “As forças-tarefas participam das negociações e opinam, mas a palavra final é do procurador-geral.”

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Unknow (Alguém que ja participou desse sistema Ebenezer e conheceu nos bastidores) on Patrícia Lelis se envolve em mais uma polêmica, ataca seu ex pastor no Twitter
admin on Turpis Nisl Sit
admin on Turpis Nisl Sit