Anvisa identificou dois casos preliminar da variante Ômicron no Brasil

Conforme nota técnica, o laboratório notificou a Anvisa sobre os resultados positivos dos testes e sobre o início dos procedimentos para sequenciamento genético no dia 29/11

0
305
“A nova variante Omicron do Coronavirus resulta em doença LEVE, SEM sintomas proeminentes.” Angelique Coetzee, presidente da South African Medical Association.

 

Anvisa informou nesta terça-feira (30/11)  que serão enviadas para análise laboratorial confirmatória, para uma segunda confirmação, as amostras de dois brasileiros que, preliminarmente, apresentaram resultado laboratorial positivo para a variante ômicron do Sars-Cov-2.

Foi identificado dois passageiros brasileiros, com passagem pela África do Sul, que desembarcou no Aeroporto Internacional de Guarulhos-SP, testou positivo para Covid-19.

Eles desembarcaram no dia 27/11, em um voo da Ethiopian Airlines, foram colocados em quarenta, enquanto esperava a comprovação da contaminação pela Variante Ômicron.

Reino Unido retorna a obrigatoriedade de máscara para enfrentar a Variante Omicron

Estes passageiros vindo da África do Sul e que desembarcou em Guarulhos no dia 23/11, portando resultado de RT-PCR negativo, com vistas a se preparar para a viagem de regresso à África do Sul.

No laboratório localizado no aeroporto de Guarulhos, no dia 25/11, para, já na companhia de sua esposa, realizar o teste de RT-PCR requerido para o retorno. Naquele momento, ambos testaram positivo para a Covid-19 e o fato foi comunicado ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) de São Paulo.

 

Os infectados são um casal, ele tem 41 anos e ele tem 37, dois brasileiros que vieram visitar a família em São Paulo.

 

A Agência Anvisa fiscaliza e exige, por força de portaria interministerial. E o passageiro em questão chegou ao Brasil com teste negativo, assintomático.
Após a confirmação do resultado positivo para Covid, de novo teste de RT-PCR, realizado pelo laboratório localizado no aeroporto de Guarulho, foi notificado pela Anvisa, o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) nacional, estadual e municipal.

 

Diante dos resultados positivos, o laboratório Albert Einstein adotou a iniciativa de realizar o sequenciamento genético das amostras.

 

Conforme nota técnica, o laboratório notificou a Anvisa sobre os resultados positivos dos testes e sobre o início dos procedimentos para sequenciamento genético no dia 29/11 e, na data de hoje, 30/11, informou que, em análises prévias, foi identificada a variante Ômicron do Sars-Cov-2.

De acordo com os protocolos nacionais, o material deve ser enviado ao Instituto Adolfo Lutz (IAL) para fins de confirmação do sequenciamento genético.

A Anvisa também oficiou o Ministério da Saúde e as Secretarias de Saúde estadual e municipal de São Paulo sobre o evento em saúde identificado na data de hoje para adoção das medidas de saúde pública pertinentes.

Diante da identificação e testagem com resultado positivo para Covid-19, a Rede CIEVS, ligada ao Ministério da Saúde, deve monitorar casos de acordo com o sistema de vigilância vigente no Brasil, para avaliação das condições de saúde e direcionamento dos indivíduos aos serviços de atenção à saúde, bem como para adoção das medidas de prevenção e controle da Covid-19.

A Agência ressalta que a entrada do passageiro no Brasil ocorreu no dia 23/11, ou seja, antes da notificação mundial sobre a identificação da nova variante, que foi relatada pela primeira vez à Organização Mundial de Saúde (OMS) pela África do Sul no dia 24 de novembro. A entrada também foi anterior à edição da Portaria Interministerial CC-PR/MS/MJSP/MINFRA n° 660, de 27 de Novembro de 2021, que proibiu, em caráter temporário, voos com destino ao Brasil que tenham origem ou passagem pela República da África do Sul e que também suspendeu, em caráter temporário, a autorização de embarque para o Brasil de viajantes estrangeiros, procedentes ou com passagem, nos últimos 14 dias antes do embarque, por esse país.

Entenda as restrições

Conforme recomendação da Anvisa, a Portaria Interministerial nº 660, de 27 de novembro de 2021, proibiu voos com destino ao Brasil que tenham origem ou passagem pela República da África do Sul, República de Botsuana, Reino de Essuatíni, Reino do Lesoto, República da Namíbia e República do Zimbábue.

De acordo com a Portaria vigente, o viajante brasileiro procedente ou com passagem pela República da África do Sul, República do Botsuana, Reino de Essuatíni, Reino do Lesoto, República da Namíbia e República do Zimbábue, nos últimos quatorze dias antes do embarque, ao ingressar no território brasileiro, deverá permanecer em quarentena, por quatorze dias, na cidade do seu destino final.

A Anvisa, desde a última sexta-feira, 26/11, ao identificar o risco de transmissão da nova variante Ômicron, já vem atuando para captação de eventuais riscos de sua disseminação no Brasil.

No momento, a OMS está se coordenando com um grande número de pesquisadores ao redor do mundo para entender melhor o Ômicron. Os estudos atualmente em andamento ou em breve incluem avaliações de transmissibilidade, gravidade da infecção (incluindo sintomas), desempenho de vacinas e testes de diagnóstico e eficácia dos tratamentos.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, disse que o surgimento da Ômicron mostrou como a situação era “perigosa e precária”.

 

Pacientes que contraíram a Variante Ômicron se queixam de fadiga, dores de cabeça e no corpo e ocasionais dores de garganta e tosse, disse Angelique Coetzee, que também é presidente da Associação Médica Sul-Africana.

Atualização no Omicron: a Variante Ômicron preocupa a comunidade científica global.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui