Brasil registra queda em números de homicídios

13.684 ADOLESCENTES CUMPRINDO MEDIDA SOCIOEDUCATIVA DE INTERNAÇÃO

0
90
CRESCIMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Brasil está sendo um país menos violento com queda em números de homicídios é o que mostra o Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública se baseia em informações fornecidas pelas secretarias de segurança pública estaduais, pelas polícias civis, militares e federal, entre outras fontes oficiais da Segurança Pública. A publicação é uma ferramenta importante para a promoção da transparência e da prestação de contas na área, contribuindo para a melhoria da qualidade dos dados. Além disso, produz conhecimento, incentiva a avaliação de políticas públicas e promove o debate de novos temas na agenda do setor. Trata-se do mais amplo retrato da segurança pública brasileira.

As novas dinâmicas registradas nos crimes são de naturezas patrimoniais: assalto a banco, loja, residências. Em 2021 foram registrados 1.265.073 estelionato.  847.313 celulares roubados ou furtados.

A cada 3 armas registradas, 1 está irregular

VIOLÊNCIA NA AMAZÔNIA

13 das 30 cidades mais violentas do país estão na Amazônia Legal, com taxa de violência letal na região é 38% superior à média nacional.

O pico de violência letal deu-se em 2017, quando o país registrara 30,9 Mortes Violentas.

19.136 crianças e adolescentes foram vítimas de maus tratos.

CAÍRAM AS DESPESAS COM SEGURANÇA PÚBLICA: Redução de 0,8% em relação a 2020.

CAÍRAM AS DESPESAS COM SEGURANÇA PÚBLICA: R$ 105 bilhões, Redução de 0,8% em relação a 2020.

 

Intencionais – MVI para cada 100 habitantes. A partir de 2018 iniciou-se uma tendência de queda nos índices de mortes. Em 2021, o Brasil registrou 22,3 Mortes Violentas Intencionais.

MVI para cada grupo de 100 mil habitantes, redução de 6,5% na taxa de MVI em relação a 2020.

Essa é, sem dúvida, uma notícia a ser comemorada e louvada. Porém, ao contrário das tentativas de explicação simplista e/ou interessadas, muitas das quais feitas no afogadilho da proximidade das Eleições Gerais de 2022, é preciso cautela na identificação dos
fatores e causas para este fenômeno.

CRESCIMENTO DA VIOLÊNCIA LETAL NA REGIÃO NORTE

190 policiais foram assassinados em 2021, redução de 12% em relação ao ano anterior.

O número representa queda na comparação com 2020 e é o menor registrado desde 2011

MVI – incluem homicídios dolosos, latrocínios (roubos seguidos de morte), lesões corporais seguidas de morte e mortes decorrentes de intervenções policiais, possuem dinâmicas que as caracterizam, por definição, como derivadas de fenômenos multicausais. Não há uma única causa capaz de explicar a tendência das MVI, que é a associação de múltiplas causas e fatores. Assim, podemos falar de fatores preponderantes, mas jamais de causa única.

A redução de 6,5% na taxa de MVI em 2021, em relação a 2020, não ocorreu de forma homogênea nas 27 Unidades da Federação, sendo que, inclusive, em 6 delas houve aumento no número de mortes. Fatores locais e/ou regionais são igualmente importantes para a compreensão da tendência da violência letal no país. Em terceiro lugar, por mais que a redução no número de MVI seja inegável e tenha atingido até mesmo as Mortes Decorrentes de Intervenções Policiais, que cresceram, em termos absolutos, 177,8% entre 2013 e 2020 e, em 2021, caíram 4,9%, o Brasil ainda convive com cenários de violência extrema que preocupam muito e revelam a fragilidade dos arranjos institucionais da segurança pública no país.

Esta violência extrema, em 2021, também incluiu 65.225 desaparecimentos e 14.353 suicídios, que cresceram, respectivamente, em 3,2% e 7,4% em relação a 2020. Já na mesma tendência de redução das MVI, temos que ter em mente que a violência extrema que marca o Brasil passa ainda por 32.634 tentativas de homicídios e 9.435 mortes a esclarecer, cujas quedas nos registros em relação a 2020 foi de, respectivamente, 5,6% e 16,1%. Mas é na comparação internacional que mais fica patente o quão distante estamos de qualquer referência civilizatória da humanidade e que, por trás da ideia de nação pacífica, vivemos uma profunda e covarde crise de indiferença e de embrutecimento das relações sociais cotidianas.

Veja também

CDC recomenda uso da máscara dentro de casa ou considerando

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui