11 C
New York
sexta-feira, setembro 17, 2021
InícioBrasilCabocla: duas excelentes telenovelas marcantes produzidas pela Rede Globo

Cabocla: duas excelentes telenovelas marcantes produzidas pela Rede Globo

Uma das melhores telenovelas produzida pela Rede Globo, Cabocla, para o horário das 18 horas em duas adaptações.

Para este horário a emissora sempre produz telenovelas geralmente leves, emocionantes, cheias de romance e comédia, elas nos transportam para conhecer a arquitetura, moda, questões sociais e até o vocabulário de outras épocas, muitas vezes traçando um paralelo com o nosso cotidiano contemporâneo, quando são retratados aspectos da sociedade que não mudaram tanto assim.

Cabocla é uma telenovela brasileira produzida e exibida no horário das 18 horas pela Rede Globo de 4 de junho a 15 de dezembro de 1979, em 170 capítulos, substituindo Memórias de Amor e sendo substituída por Olhai os Lírios do Campo. Foi a 18ª “novela das seis” exibida pela emissora. Baseada no romance homônimo de Ribeiro Couto, foi adaptada por Benedito Ruy Barbosa sob direção de Herval Rossano. É a segunda adaptação da obra após a versão de 1959 da TV Rio.

Contou com as participações de Glória PiresFábio JúniorRoberto BonfimNeuza AmaralGilberto MartinhoArlete SallesSimone CarvalhoKadu Moliterno e Cláudio Corrêa e Castro.

A produção contou com a participação de grandes atores como Glória Pires, Fábio Junior, Roberto Bonfim, Neuza Amaral, Gilberto Martinho, Arlete Salles, Simone Carvalho, Kadu Moliterno e Cláudio Correa e Castro.

Contou com as participações de Glória PiresFábio JúniorRoberto BonfimNeuza AmaralGilberto MartinhoArlete SallesSimone CarvalhoKadu Moliterno e Cláudio Corrêa e Castro.

Sinopse

Em 1924, Joaquim se surpreende quando o médico diz que seu filho, Luís Jerônimo, está com uma lesão no pulmão. Este é aconselhado pelo clínico a deixar o Rio de Janeiro. Ele vai para a fazenda do coronel Boanarges, que fica localizada na pequena e fictícia Vila da Mata, no Espírito Santo, em busca de um ar mais puro. Na fazenda do primo, o rapaz conhece Zuca, e os dois se apaixonam. Zuca é afilhada do coronel e noiva do destemido peão Tobias, que não se conforma de jeito nenhum em perder a cabocla para o forasteiro. Zuca e Luís Jerônimo vão enfrentar inúmeras dificuldades para viverem esse amor. A briga pelo poder local de Vila da Mata é destacada na figura dos dois coronéis da história: Boanerges e Justino. No meio dessa disputa, surge a paixão entre Belinha e Neco – ela, filha de Boanarges, e ele, filho de Justino. Os dois enfrentam a oposição das duas famílias para poderem ficar juntos. Neco abandona os estudos e decide dedicar-se à política local. Já Boanerges, para afastar sua filha de Neco, resolve levá-la para um convento. Ela é mandada embora, por não ter vocação, e decide enfrentar o pai para viver o seu amor. Joaquim, pai de Luís Jerônimo, se apaixona por Pequetita, e os dois vão viajar para a Europa. O romance entre Zuca e Luís é ameaçado com a chegada de Pepa a Vila da Mata. Apaixonada pelo forasteiro, ela tenta de todas as formas separar o casal. No entanto, para surpresa de todos, Pepa se acaba envolvendo com o coronel Justino e engravida dele. Neco surge como o novo líder político na região. Através do seu personagem, a novela passa a tratar da importância do voto consciente. Nos seus discursos contra os coronéis da região, o personagem Neco sempre apregoa: “O voto não se vende”. No final da trama, Justino apoia a candidatura de Boanarges, pondo um fim à disputa política entre os dois. Luís Jerônimo chega a voltar para o Rio de Janeiro, mas não consegue de jeito nenhum esquecer Zuca. Ele consegue recuperar-se da tuberculose e acaba comprando uma fazenda na região. Contra a vontade dos pais, Zuca se casa com Luís numa igreja vazia. Os dois têm uma filha. O peão Tobias se casa com Mariquinha, filha do coronel Justino. Belinha e Neco se casam diante de uma plateia emocionada. Meses depois, Justino tem um filho e um neto – filho de Mariquinha e Tobias. Pepa está novamente grávida, e o filho de Belinha e Neco, prestes a nascer. Como amigos, o coronel Boanarges sobe ao palanque para discursar ao lado do genro.

Cabocla foi uma novela marcante da tv brasileira ao ponto da emissora produzir outra adaptação pela Rede Globo.

Cabocla foi exibida em de 10 de maio a 20 de novembro de 2004, em 167 capítulos, subistituindo Chocolate com Pimenta, outra maravilhosa produção.

Foi adaptada por Benedito Ruy Barbosa, com a colaboração de Edmara Barbosa e Edilene Barbosa. Dirigida por Fred Mayrink, André Felipe Binder e Pedro Vasconcelos, teve direção geral de José Luiz Villamarim e Rogério Gomes. A direção de núcleo foi de Ricardo Waddington. É a terceira adaptação da obra após a versão de 1959 da TV Rio e a versão de 1979 da própria Globo.

Contou com as participações de Daniel de OliveiraVanessa GiácomoTony RamosReginaldo FariaElena ToledoOthon BastosOtávio Augusto e Jussara Freire

Enredo

Brasil Repúblicadécada de 1920. Luís Jerônimo é um jovem rico. Mulherengo, passa a noite toda na rua bebendo e se divertindo com prostitutas, o rapaz descobre que está com uma lesão no pulmão direito. Aconselhado por Edmundo Esteves, seu médico, decide passar uma temporada na fazenda de um primo na cidadezinha capixaba de Vila da Mata, em busca de ar puro, para evitar que a doença evolua para uma tuberculose.

Quando Luís Jerônimo chega à cidade, hospeda-se no hotel do casal Sinhá Bina e Zé da Estação, para esperar o primo, o coronel Boanerges, que vai levá-lo para sua fazenda. Basta uma noite no hotel para Luís se encantar com a filha de Zé e Bina, a cabocla tímida e arredia Zuca.

Para viver esse grande amor, eles enfrentarão muita resistência por conta das diferenças sociais e do fato de Zuca ser noiva do teimoso e encrenqueiro peão Tobias. E também pela chegada da espanhola Pepa, apaixonada por Luís, ex-amante do moço rico. Ela se estabelece na fazenda vizinha, de propriedade do coronel viúvo Justino, inimigo político do coronel Boanerges.

Ao lado da trama principal se desenrola a briga política entre os coronéis da região: Boanerges e Justino, rivais na política e na disputa pelo poder. Paralelamente a esse embate, acontece o amor entre Belinha e Neco. Ela é filha de Boanerges e Emerenciana; ele, de Justino, o que transformará esse romance numa espécie de Romeu e Julieta caipira que terá grande destaque na história.

Neco irá se transformar num novo líder na cidade. Bem-intencionado, ele trabalhará em prol do povo daquela região, enfrentando até mesmo o poderio dos coronéis.

E, em meio a tudo isso, eis que os sentimentos de Mariquinha, filha do coronel Justino e irmã de Neco, por Tobias afloraram, fazendo-os viverem um quarteto amoroso ao lado de Zuca e Luís Jerônimo.

Ambas foram excelentes produções e de grande audiência no país. Assisti ambas, e a segunda duas vezes. Hernane Amaral

Fonte:

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Unknow (Alguém que ja participou desse sistema Ebenezer e conheceu nos bastidores) on Patrícia Lelis se envolve em mais uma polêmica, ataca seu ex pastor no Twitter
admin on Turpis Nisl Sit