Cebola: excelente para a estrutura humana

A cebola combate dezenas de doenças e ajuda a emagrecer, pode ser consumida crua, cozida, em molhos ou em conserva.

0
71

A cebola usada para temperar e complementar diversos pratos e pode trazer muitos benefícios à saúde, inclusive para os diabéticos.

Faz parte dos alimentos importante que auxiliam na prevenção de doenças do coração, diabetes, câncer e melhoram o sistema imunológico, fortalecendo o organismo como um todo.

A cebola é rica em vitaminas A, E, B6, fósforo, enxofre, ferro, cálcio, magnésio e iodo.

Por ter grande concentração de óxidos sulfúricos, ativados quando as cebolas são picadas, dando o aroma e o sabor nas refeições diárias.

São três tipos de cebola mais utilizados para o uso culinário: roxa, amarela e branca. Elas possuem alta concentração de antioxidante de quercetina.

Quercetina é um tipo de flavonoide com propriedades farmacológicas que combate a ação dos radicais livres. Os flavonoides são compostos com ação antioxidante e anti-inflamatória, conhecidos por fortalecer a imunidade e auxiliar na prevenção de doenças (como tumores).

A cebola roxa tem uma diferença entre as demais, sendo rica em antocianinas, antioxidante importante no combate a problemas cardíacos, e possui um sabor mais adocicado.

Esse principal antioxidante presente na cebola, a quercetina, previne inflamações e ajuda a controlar os índices de colesterol ruim no sangue. Esses e outros fatores contribuem para o combate à hipertensão e auxiliam na manutenção da saúde do coração.

A cebola contêm dissulfureto de dialilo, que é eficaz na prevenção da coagulação sanguínea, fazendo com que o fluxo de sangue flua corretamente. Um fluxo sanguíneo suave e saudável pode reduzir o risco de colesterol. O enxofre na cebola também pode apoiar o fluxo sanguíneo, pois pode reduzir o nível de triglicerídeos.

 

A cebola é rica em cálcio e estudos mostram que o consumo diário da hortaliça aumenta a densidade óssea, diminuindo a fragilidade dos ossos.

A cebola possui substâncias prebíoticas, que contribuem para o aumento de bactérias boas para o intestino, que melhora vários problemas no intestino. Desde a capacidade de melhorar a flora intestinal até a diminuição de infecções.

Substâncias prebíoticas são componentes que servem para as bactérias se reproduzirem no intestino e estão presentes em alguns alimentos, como cebola, tomate, aveia e banana, leite fermentado e alguns iogurtes.

A cebola é rica em vitamina C, uma grande aliada do nosso sistema imunológico.

A vitamina C e outros antioxidantes pode aumentar a defesa imunológica do organismo, ajudando no combate a inflamação, reduz o muco nas vias nasais, pulmões e sistema respiratório. Desta forma, fortalecer o corpo contra gripes e resfriados, além de infecções em geral.

As cebolas contem silício que previne o envelhecimento de veias e artérias. O alto teor de vitaminas A, C e E e de substâncias como enxofre, selênio e antocianina faz da cebola um poderoso antioxidante, responsável por combater os radicais livres causadores do envelhecimento precoce.

Essa hortaliça tem ainda outras utilidades além da alimentação. Pode ser usada como repelente de insetos, já que os gases expelidos por ela os afastam.

Lembrando:

A cebola roxa tem uma diferença entre as demais, sendo rica em antocianinas, antioxidante importante no combate a problemas cardíacos, e possui um sabor mais adocicado.

Cebola combate dezenas de doenças e ajuda a emagrecer; confira 7 benefícios

Combate gripes e resfriados. …

Auxilia no emagrecimento. …

Protege o coração. …

Combate o envelhecimento precoce. …

Combate a hipertensão. …

Controle do diabete. …

Previne cânceres. .

É aconselhável que seja consumida crua, pois assim não há perda de nutrientes. Por isso, o ideal seria incluir a cebola em saladas, criando uma harmonia desse alimento com o prato.

Informação Nutricional – Cebola crua – 100g

Quantidade por porção % Valor diário
Valor energético 39 kcal 1,95 %
Carboidrato 8,9 g 2,97 %
Proteína 1,17 g 1,56 %
Gorduras totais 0,1 g 0,18 %
Gorduras saturadas
Gorduras trans
Sódio 1 mg 0,04 %
Fibra alimentar 2,2 g 8,8 %
Vitamina A 5000 UI 100%

Embora seja um insumo natural, a cebola pode trazer prejuízos para quem sofre com refluxo gastroesofágico. Da mesma forma, pacientes que têm azia estão enquadrados entre aqueles que apresentam quadro de saúde contrário ao consumo de cebolas. Os sintomas, nesses dois casos, podem ficar bem mais acentuados e evoluíram para estados de atenção grave.

Alguns vegetais como brócolis, repolho, couve de Bruxelas, couve-flor, cebola, alho e aspargos podem causar excesso de gases. Isso acontece porque, assim como o feijão, estes alimentos são ricos em fibras e, além disso, possui rafinose que não é digerida e fermentada no intestino.

Fonte: Tua Saúde, Unimed, National Digestive Diseases Information Clearinghouse,

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui