11 C
New York
sábado, junho 19, 2021
HomeCOVID-19Covas vê possibilidade de um agravamento da pandemia

Covas vê possibilidade de um agravamento da pandemia

Dimas relembrou que o então ministro da Saúde Eduardo Pazuello, chegou a anunciar a compra dos imunizantes, o contrato ficou em "suspenso" por quase três meses após declarações de Jair Bolsonaro contra a aquisição dos imunizantes.

Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, afirmou nesta quinta-feira (27), durante depoimento à CPI da Pandemia, que foi frustrante ouvir manifestações do presidente Jair Bolsonaro, que a CoronaVac não seria incorporada.

Covas: “Eu mandei um ofício, no dia 30 julho de 2020, para ser entregue 60 milhões de doses da CoronaVac, no último trimestre de 2020”. Sem resposta por parte do Ministério da Saúde, “Reforçamos o ofício, em agosto de 2020, solicitamos apoio financeiro para apoiar o estudo clínico que desta dimensão, custa muito caro, com previsão de gastar 100 milhões de reais”.

Dimas Covas afirmou aos senadores que em outubro de 2020, foi feita uma nova oferta de 100 milhões de doses.

Covas disse que apesar da frustação, continuou o projeto e que o contrato com o governo ocorreu somente em janeiro de 2021.

Dimas relembrou que o então ministro da Saúde Eduardo Pazuello, chegou a anunciar a compra dos imunizantes, o contrato ficou em “suspenso” por quase três meses após declarações de Jair Bolsonaro contra a aquisição dos imunizantes.

Desta forma, afirma Dimas, que não conseguiriam entregar 100 milhões de doses até maio de 2021, como era previsto em outubro.  O consequente atraso nas negociações, conseguimos entregar 46 milhõ0es de dose somente em 12 de maio, com um atraso de 12 dias, por falta de insumos IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo), para a produção de doses.

Dimas Covas respondeu ao Senador Renan Calheiros (MDB-AL) e outros senadores sobre as consequências das declarações contra a China por parte de membros do governo federal e de campanhas de difamação da vacina CoronaVac nas redes sociais, que ocorreu o atraso nas entregas de doses da CoronaVac, vacina contra covid-19 do laboratório chinês Sinovac, ao Ministério da Saúde, por falta do IFA (insumo farmacêutico ativo) importado da China.

Relembrando: Bolsonaro disse durante um discurso que o coronavírus, causador da covid-19, pode ter sido criado em laboratório como parte de uma “guerra química” e referiu-se à China de maneira indireta.

“A postura atrapalha a liberação de insumos de imunizantes para o Brasil e impediu a vacinação de milhões de pessoas num prazo anterior ao que acabou ocorrendo” Covas

Relacionado à aquisição do imunizante em outubro de 2020. Dimas Covas disse ainda que não houve nenhum apoio financeiro do governo federal no desenvolvimento da vacina.

Dimas afirmou que a vacinação no mundo iniciou em 8 de dezembro e o Brasil poderia ter sido o primeiro país do mundo a iniciar a vacinação, se não fossem esses percalços, tanto contratuais como de regulamentação. Ele entregou documentos comprobatórios à CPI após seu depoimento.

O diretor do Instituto Butatan está preocupado e vê indícios de que o Brasil terá de novo um agravamento da pandemia com as variantes em circulação.

Covas destacou que podemos ter uma necessidade de “reforço” de uma terceira dose de vacina.

Matéria em andamento

 

 

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Unknow (Alguém que ja participou desse sistema Ebenezer e conheceu nos bastidores) on Patrícia Lelis se envolve em mais uma polêmica, ataca seu ex pastor no Twitter
admin on Turpis Nisl Sit
admin on Turpis Nisl Sit