Estado e Antirracismo é tema de ciclo de debates promovido pela PGE

o evento teve como tema Estado e Antirracismo e contou com a participação de autoridades, advogados, estudantes e comunidade em geral que puderam ampliar o debate público

0
57
Diálogos PGE tratou do papel do Estado na luta antirracista - Foto: Divulgação

2/06/2022

A Procuradoria Geral do Estado do Maranhão (PGE-MA) realizou a 2ª edição do ciclo de debates Diálogos PGE, que tem como o objetivo a discussão de temas contemporâneos e transversais envolvendo o direito, política, questões sociais e a advocacia Pública. Nessa edição, o evento teve como tema Estado e Antirracismo e contou com a participação de autoridades, advogados, estudantes e comunidade em geral que puderam ampliar o debate público em torno da questão, apresentar caminhos para repensar o presente com o olhar para um futuro antirracista, a concretização de direitos fundamentais como a igualdade, a cidadania e, principalmente, a dignidade da pessoa humana, além de analisar a aplicação de políticas públicas que atuam em resposta ao problema histórico e social.

Na abertura da atividade, o procurador geral do Maranhão, Rodrigo Maia, ressaltou a dívida histórica que o Estado tem com essa parte da população no Brasil e destacou casos como o que aconteceu recentemente no Rio de Janeiro, onde uma ação policial resultou na morte de várias pessoas negras. “A morte dessas pessoas é um reflexo muito eloquente do quanto o Estado brasileiro ainda precisa pagar esta dívida que tem com a população negra historicamente oprimida e segregada. Este evento tem como objetivo “virar a chave” para percebermos o Estado não como um algoz, mas como garantidor e protetor dos Direitos Fundamentais”, ressaltou.

A programação do Diálogos PGE foi composta por dois painéis: o primeiro teve como recorte temático “A luta antirracista: os desafios à Democracia e aos Direitos Humanos” e contou com as participações do presidente da Comissão de Direitos Humanos (OAB/MA), Erik Moraes e da secretária de Estado de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop/MA), Amanda Costa. Para a secretária “é preciso fazer uma reflexão acerca da luta antirracista em face da figura do Estado e os impactos tanto do racismo quanto do movimento antirracista nas questões relativas à democracia e aos direitos humanos”.

A segunda mesa teve como painelistas a procuradora do Estado da Bahia, Cléia dos Santo,s e o coordenador de Políticas Públicas de Direitos Humanos para os povos tradicionais de matriz africana da Sedihpop/MA, Paulo de Aruanda. Ambos teceram comentários ao Estatuto da Igualdade Racial e avaliaram o combate à intolerância religiosa no país.

De acordo com a procuradora Cléia dos Santos, este é um momento em que todo o Brasil está vivendo de buscar caminhos para concretizar efetivamente a igualdade racial e a equidade. “Enquanto nós não enfrentarmos o racismo que se estruturou as nossas instituições nós não seremos uma nação e nem alcançaremos o verdadeiro desenvolvimento social”, ressaltou a procuradora.

Como previsto no formato do evento, após as exposições dos painelistas, os participantes também puderam contribuir com a temática por meio de questionamentos e suas vivências. Participaram ainda do evento a secretária de Estado da Mulher, Célia Salazar; o secretário de Estado de Igualdade Racial, Gerson Pinheiro; o juiz coordenador do Comitê de Diversidade do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão, Marcos Adriano Ramos; a presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB/MA, Tayane Caetano; e o professor Jean Carlos Nunes, membro do Núcleo de Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado do Maranhão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui