11 C
New York
quarta-feira, outubro 20, 2021
InícioAbuso SexualFere o psicológico da pessoa', diz a segunda mulher que afirma ter...

Fere o psicológico da pessoa’, diz a segunda mulher que afirma ter sofrido importunação sexual por parte de padre em Montes Claros

Uma segunda mulher procurou pela polícia para relatar um episódio de importunação sexual contra o padre Reginaldo Cordeiro de Lima, que já havia sido conduzido à delegacia no dia 29 de setembro após uma jovem afirmar ter sido vítima desse mesmo crime. O sacerdote atua em Montes Claros (MG).

“Ele me conduziu até a a o a sua garagem, a garagem da sua casa, falando que ele queria conversar comigo. E chegando lá, ele me abraçou, contra a minha vontade, me beijou e e disse que ele sentia atração por mim. E aí ele me beijou, contra a minha vontade. Eu mantendo os meus lábios fechados. Ele me beijou, encostou o corpo me mim. Beijou o meu pescoço e minha orelha. E eu me desvencilhei”, disse a mulher ao MG1 desta sexta-feira (8). Ela prefere não ter o nome divulgado.

Procurada pela Inter TV, a Arquidiocese de Montes Claros ainda não se manifestou sobre o segundo caso. A defesa do padre disse que não iria se posicionar, já que não teve acesso ao depoimento. Esse espaço permanece aberto para as manifestações dos advogados e da Arquidiocese.

A mulher contou que a situação de abuso ocorreu há cinco anos. Ela também falou que o medo a impediu de procurar pela polícia.

“Justamente esse medo, né… Das pessoas não acreditarem, de acharem que a mulher que tá dando em cima do padre. Então, assim, eu preferi silenciar e afastar. Eu pensava que ele tinha mudado. E, hoje, eu vi que tá do mesmo jeito.”

Padre Reginaldo Ribeiro atua em Montes Claros — Foto: Inter TV/Reprodução

Ao tomar conhecimento de que o sacerdote tinha sido conduzido à delegacia por suspeita de importunação, no dia 29 de setembro, ela também decidiu procurar pelas autoridades. Segundo a Polícia Civil, o relato da segunda mulher vai ser anexado ao inquérito que apura a importunação sexual. Mais pessoas serão ouvidas e o procedimento deve ser finalizado na próxima semana.

“Se eu não vir aqui falar que também aconteceu comigo, quantas vezes mais vai ser necessário pra gente ter justiça? Quantas pessoas mais vão passar por isso? Porque isso aí não é só um toque não… um beijo, um abraço. Isso vai muito mais além. Isso fere o psicológico da pessoa. É a fé da pessoa. Isso é muito mais além. Então isso tem que ser parado. Porque até quanto mais ele vai ficar assim? Quem é que vai parar ele?”, questionou.

Primeiro caso

 

Em 1 de outubro, a Polícia Civil afirmou ter aberto o inquérito para investigar o crime de importunação sexual contra o padre Reginaldo Cordeiro de Lima. Uma jovem, de 19 anos, disse ter sido vítima de assédio dentro da Casa Paroquial.

“Ele me perguntou se eu já tinha ido lá, falou que ia me apresentar me levou mais pra dentro falando que aquela parte tinha sido ele que construiu. […] No quarto dele, ele me abraçou e me beijou. Primeiro, ele beijou meu nariz e depois ele me deu um beijo na boca. No momento em me assustei e falei: que isso, padre?”, disse a mulher em entrevista ao Inter TV Notícia (veja vídeo abaixo). Ela preferiu não ter o nome divulgado.

Jovem que diz ter sido assediada por padre, em Montes Claros, fala sobre o caso

Ela ainda afirmou que quando ia embora, o padre fez um pedido:

“Ele falou que não era para eu contar para ninguém que eu tinha ido lá, que eu tinha entrado dentro do quarto, que não era para eu contar para ninguém da manifestação de carinho que ele fez por mim. Eu na frente e fui tentar abrir a porta, a porta estava trancada. Tanto a porta do quarto, como a porta do closet que vem antes do quarto.”

Na época, a Arquidiocese de Montes Claros informou que está acompanhando o caso e aguarda que os fatos sejam esclarecidos.

Em nota publicada nas redes sociais após a condução do padre à delegacia, os conselheiros jurídicos dele disseram que o sacerdote prestou esclarecimentos “negando com veemência as acusações falsas atribuídas à sua pessoa.”

Além de negar ter cometido importunação sexual, os conselheiros jurídicos destacaram na nota que o padre tem 28 anos de sacerdócio “dedicados à igreja católica e ao povo de Deus”.

Os advogados falaram ainda que o padre já realizou obras e projetos sociais, “levando-o a fazer diversos enfrentamentos com gente poderosa em situações que exijam transformações”.

“É natural que figura pública com esse perfil combativo e independente incomode pessoas, gerando a incompreensão e até mesmo adversários.”

A nota termina dizendo que a inocência do padre será provada e todos os fatos serão esclarecidos.

Edição:Zoh Andrade

 

 

 

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Unknow (Alguém que ja participou desse sistema Ebenezer e conheceu nos bastidores) on Patrícia Lelis se envolve em mais uma polêmica, ataca seu ex pastor no Twitter
admin on Turpis Nisl Sit