sexta-feira, janeiro 21, 2022
InícioSaúdeHolanda amanhece neste domingo em lockdown, para combater a variante Ômicron

Holanda amanhece neste domingo em lockdown, para combater a variante Ômicron

“A Holanda está fechando novamente. Isso é inevitável por causa da quinta onda que está chegando com a variante Ômicron”,  “Isso é terrível para todos, especialmente na véspera dos feriados.” disse Rutte em entrevista coletiva.

O primeiro-ministro holandês Mark Rutte informou que a partir deste domingo (19/12),  a Holanda entrará em um novo lockdown, para tentar conter a alta de casos de Covid-19 provocada pela variante Ômicron do coronavírus.

 

Mark Rutte decretou o lockdown após uma reunião do governo com especialistas em saúde e líderes holandeses que recomendaram a medida restritiva.

A partir deste domingo, todas as lojas, bares, restaurantes, academias, escolas e locais culturais e esportivos ao ar livre não essenciais estarão fechadas até 14 de janeiro de 2022. As escolas também não vão ter aulas presenciais a partir desta segunda (20/12).

 

“A Holanda está fechando novamente. Isso é inevitável por causa da quinta onda que está chegando com a variante Ômicron”,  “Isso é terrível para todos, especialmente na véspera dos feriados.” disse Rutte em entrevista coletiva.

 

Reconheceu o primeiro-ministro Mark Rutte no sábado em uma entrevista coletiva transmitida pela televisão.

 

O ministro da saúde, Hugo de Jonge, disse que os esforços para administrar doses de reforço seriam drasticamente aumentados. “Precisamos disso para ganhar tempo a fim de descobrir o quão doentes a variante do Omicron pode nos deixar”, disse ele. 

 

Ficou claro na semana passada que a variante Omicron está se espalhando muito rapidamente na Holanda. A Equipe de gerenciamento de surto esperava que esta variante fosse a variante dominante na Holanda até o final de dezembro. Isso é mais cedo do que o esperado. 

 

Este rápido aumento nas infecções significa que o número de pacientes com COVID-19 em hospitais e UTIs aumentará ainda mais antes do final do ano. Portanto, é cada vez mais provável que o sistema de saúde fique sobrecarregado em janeiro. Todos nós queremos hospitais e cuidados médicos disponíveis quando precisamos. A disseminação da variante Omicron deve ser retardada o mais rápido possível para garantir que os serviços de saúde permaneçam disponíveis para todos.

 

No sábado, a agência de saúde pública do país relatou um total de mais de 2,9 milhões de casos de Covid-19 desde o início da pandemia, e 20.420 mortes. Somente no sábado, foram registrados 14.616 novos casos.

 

Nações em toda a Europa tem endurecido as restrições para evitar a propagação da variante Omicron. Devido ao número crescente de contaminações pela variante Ômicron, outros países europeus também devem tomar medidas restritivas.

 

A Áustria anunciou a existência do Passaporte de Vacinação.

 

Na Alemanha, os secretários regionais de saúde da Alemanha estão pressionando por regras mais rígidas para as chegadas de viajantes da Grã-Bretanha. 

 

Na Dinamarca, um dos primeiros países da Europa a ver um aumento da Ômicron, lugares públicos como teatros, salas de concerto e parques de diversões foram fechados.

 

A Irlanda impôs um toque de recolher às 20h em lugares públicos, a partir de segunda-feira.

 

A Grã-Bretanha é a nação  mais atingida na região, com um total de quase 25.000 casos confirmados de Ômicron, no sábado. 

12.133 casos confirmados adicionais da variante #Omicron de COVID-19 foram relatados em todo o Reino Unido.

Os casos confirmados de Omicron no Reino Unido totalizam agora 37.101.

A variante Omicron do coronavírus foi detectada em 89 países , com o número de casos dobrando a cada 1,5 a três dias em locais com transmissão comunitária (não apenas infecções adquiridas no exterior), disse a Organização Mundial de Saúde .

 

No Brasil, medidas mais restritivas estão sendo adotadas pelo Supremo Tribunal Federal a pedido de partidos de oposição ao governo.

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, determinou no sábado (11/12), a obrigatoriedade de comprovante de vacinação para viajantes que chegarem ao país.

 

Estariam dispensados. Passageiros que tenham determinações médicas ou quem venha de país em que comprovadamente não há disponibilidade das  vacinas no país de origem do desembarque.

 

Para Barroso, todos os dias o país recebe milhares de viajantes. O ministro argumenta que a não exigência de comprovantes de vacinação ou de quarentena, agrava-se o risco de contágio da população brasileira. Além disso, dificulta o monitoramento da quarentena pelos órgãos fiscalizadores. A medida já está em vigor.

 

“A substituição do comprovante de vacinação pela alternativa da quarentena somente se aplica aos viajantes considerados não elegíveis para vacinação. Brasileiros que não puderem comprovar vacinação em razão de ataque ao sistemas do SUS poderão apresentar um teste PCR negativo”.

 

Barroso considerou que sua decisão monocrática foi avaliada pelos colegas no Plenário Virtual.

 

E obteve a maioria dos votos. Entretanto, o ministro Kassio Nunes pediu vista e terá que ser votada novamente pelos 11 ministros do Supremo.

 

A liminar de Barroso já está aprovada no Brasil.

CDC recomendam vacina da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Unknow (Alguém que ja participou desse sistema Ebenezer e conheceu nos bastidores) on Patrícia Lelis se envolve em mais uma polêmica, ataca seu ex pastor no Twitter
admin on Turpis Nisl Sit