Homem é preso em ação da PCMG por feminicídio ocorrido na capital

O homem foi localizado pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) na zona rural de Jaboticatubas, Região Metropolitana

0
86

Um relacionamento de 17 anos terminou com a morte de uma mulher, de 40 anos, e com a prisão do ex-companheiro dela, de 45. O homem foi localizado pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) na zona rural de Jaboticatubas, Região Metropolitana, na noite da última sexta-feira (13/5). O suspeito também é investigado por tentar matar um amigo da ex-mulher, de 35 anos, que estava com ela no dia do crime, ocorrido em 24 de abril deste ano, no bairro Bonsucesso, capital.

 

De acordo com a equipe do Departamento Estadual de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), a prisão do indivíduo foi possível devido a inúmeras denúncias de moradores da região. Com o suspeito, que ainda tentou fugir no momento da abordagem policial, foram encontrados R$ 8 mil e um cartucho calibre 38, o mesmo da arma utilizada no crime. A polícia acredita que o dinheiro seria utilizado pelo suspeito para outra fuga.

 

A chefe do DHPP, delegada Letícia Gamboge, destaca que a motivação para o crime seria o fato de o investigado não aceitar o fim do relacionamento entre o casal. “Esse caso gerou grande repugnância, demonstrando mais uma vez a prevalência de uma cultura machista na nossa sociedade, culminando na morte de mais uma mulher”, ressalta.

 

Para o chefe da Divisão Especializada em Investigação de Crimes Contra a Vida (DICCV), delegado Frederico Abelha, “É preciso enaltecer o trabalho do Núcleo de Combate ao Feminicídio que, mais vez, está caminhando para um ano com 100% de apuração dos casos”.

 

Violência recorrente

 

Conforme explica a delegada Ingrid Estevam, as investigações apontam que o casal sempre teve um relacionamento conturbado, apesar de o suspeito afirmar o contrário. Além dos relatos de testemunhas, “o que comprova isso são os diversos registros de ocorrências de ameaça e agressão, tendo, inclusive, em determinada ocasião, o investigado batido com uma pedra de mármore na cabeça da vítima”, acrescenta a delegada.

 

Após esse episódio, a mulher solicitou a medida protetiva, mas depois de um tempo reatou o relacionamento com o suspeito. “Ela mais uma vez foi agredida e ameaçada, requisitando novamente a medida protetiva”, conta Ingrid.

 

Em dezembro do último ano, a mulher decidiu pôr fim ao relacionamento.

 

Crime

 

“No dia dos fatos, ela chegando de uma festa, estava na porta da residência conversando com um amigo, que é a vítima tentada, foi surpreendida pelo suspeito, que já estava no interior da residência aguardando a vítima chegar”, relata Ingrid.

 

No momento em que entrou em casa, a mulher foi atingida com dois disparos de arma de fogo, e o amigo dela com outros dois tiros. Ela ainda tentou correr até a porta de entrada da casa e pedir ajuda. “A mãe morreu nos braços do filho”, pontua a delegada.

 

A mulher deixa três filhos, de 7, 13 e 16 anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui