11 C
New York
sábado, novembro 27, 2021
InícioPolíticaORGANIZAÇÃO CRIMINOSA: Procurador do TCU pede afastamento de Salles do Ministério do...

ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA: Procurador do TCU pede afastamento de Salles do Ministério do Meio Ambiente

O procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Lucas Rocha Furtado, pediu à corte de contas que determine à Casa Civil de Jair Bolsonaro o afastamento cautelar do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, de suas funções.

A representação é baseada na notícia-crime enviada nesta quinta-feira ao Supremo Tribunal Federal pela Polícia Federal. Na peça, o ex-superintendente do órgão no Amazonas Alexandre Saraiva acusa Salles e o senador Telmário Mota (Pros-RR) de formar uma organização criminosa para atuar em favor de madeireiros clandestinos e criar obstáculos às ações de fiscalização da própria PF e do Ibama. Salles nega as acusações, que classifica como “absurdas”.

Em sua representação, Furtado argumenta que Salles deve ser afastado porque, se continuar no cargo, o ministro pode interferir nas investigações da PF e dificultar ou protelar a apuração das denúncias. Além disso, Salles disporia de meios para inviabilizar a cobrança das multas por infrações ambientais dos madeireiros ilegais e provocar novos prejuízos ao patrimônio ambiental brasileiro.

O procurador defende que o ministro permaneça afastado até que o TCU decida sobre o mérito do caso. Como o pedido é de natureza cautelar, em tese ele deve ser encaminhado com urgência ao plenário pela presidente do tribunal, Ana Arraes.

Nem sempre isso acontece, mas o contexto em que o pedido é apresentado pode favorecê-lo. Nesta quinta-feira, o superintendente da Polícia Federal no Amazonas foi demitido do cargo pelo novo diretor-geral da PF, Paulo Maiurino, logo após apresentar a notícia-crime ao STF (o caso foi enviado ao Supremo porque, como ministro, ele tem direito a foro privilegiado).

Além disso, a Cúpula do Clima, organizada pelos Estados Unidos, começará na próxima sexta-feira com a participação de 40 líderes mundiais. O Brasil pretende pleitear recursos de países desenvolvidos para o combate ao desmatamento durante a reunião. Segundo anunciado por Salles no início do mês, Bolsonaro apresentará ao presidente americano, Joe Biden, a proposta de reduzir em 40% o desmatamento na Amazônia. O compromisso, no entanto, está atrelado a uma ajuda de países estrangeiros ao Brasil no valor de US$ 1 bilhão.

A notícia-crime contra Salles e a demissão do superintendente da PF certamente pesarão contra a imagem do Brasil na Cúpula.

No documento, Saraiva relatava que Salles, apoiado por Mota, atacou o inquérito da PF mais de uma vez, “comportando-se como verdadeiro advogado da causa madeireira (um contrassenso com a função pública por ele exercida)”.

Há menções a entrevistas do ministro questionando a duração do inquérito que apura a extração ilegal das toras de madeira apreendidas no Pará e o relato de uma visita de Salles à região em que ele, nas palavras de Saraiva, “pretendeu atuar como perito”.

Na ocasião, Salles apareceu em vídeos nas redes sociais dizendo ter “periciado” as toras e concluído que elas tinham origem legal. O ministro e o senador de Roraima defenderam também a autenticidade dos documentos de posse dos territórios apresentados pelos madeireiros acusados de grilagem pela PF.

Na representação protocolada ontem à noite, Furtado pede também que área técnica do tribunal apure o montante a ser ressarcido ao erário pelas irregularidades constatadas na investigação da PF.

Além dos prejuízos de cerca de R$ 130 milhões ao patrimônio público causados pela extração ilegal de madeira nativa de terras griladas no Pará, o procurador cita ainda 20 multas ambientais que teriam deixado de ser cobradas por interferência do ministro do Meio Ambiente – mais R$ 8,3 milhões de prejuízo.

Por ser senador, Telmário Mota não está sujeito ao controle externo do TCU, mas foi incluído na notícia-crime dirigida ao Supremo Tribunal Federal. Segundo a PF, além de trabalhar para favorecer madeireiros, ele atuou em parceria com o ministro para impedir a fiscalização. Em um vídeo que circulou nas redes sociais, gravado em 2019, o parlamentar aparece ameaçando o então superintendente do Amazonas após uma ação contra a extração ilegal de madeira na Região Norte. “Você vai pagar, vou para cima de você!”, esbraveja Mota.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Unknow (Alguém que ja participou desse sistema Ebenezer e conheceu nos bastidores) on Patrícia Lelis se envolve em mais uma polêmica, ataca seu ex pastor no Twitter
admin on Turpis Nisl Sit