11 C
New York
quarta-feira, junho 16, 2021
HomePolíticaSTF torna líder do PP na Câmara réu por corrupção passiva

STF torna líder do PP na Câmara réu por corrupção passiva

source
Athur Lira Líder do PP arrow-options
Agência Câmara

Arthur Lira virou réu por corrupção passiva

A 1º turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou parcialmente uma denúncia feita pela Procuradoria Geral da República (PGR ) contra o líder do  PP  na Câmara dos Deputados,  Arthur Lira  (AL). A decisão transforma Arthur Lira em réu no STF. A decisão ocorreu na tarde desta terça-feira. O parlamentar foi denunciado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por ter aceitado em 2012 dinheiro de propina paga pelo então presidente Companhia Brasileira de Transportes Urbanos (CBTU) Francisco Colombo, mas a 1ª turma do STF aceitou apenas a denúncia pelo crime de corrupção passiva.

Leia também: WhatsApp admite envio ilegal de mensagens em massa nas eleições de 2018

Dos cinco ministros da turma, apenas três estavam presentes: Marco Aurélio Mello, Rosa Weber, e Alexandre de Moraes. Os três votaram pelo recebimento parcial da denúncia.

De acordo com a acusação, Lira aceitou propina de R$ 106 mil paga por Colombo em troca do apoio político do parlamentar para que ele fosse mantido no cargo. Segundo a denúncia, que usa informações da colaboração premiada do doleiro Alberto Youssef, o dinheiro pago por Colombo foi apreendido pela Polícia Federal no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, em 2012.

A apreensão ocorreu no momento em que o então assessor de Lira, Jaymerson José Gomes, tentava embarcar em um voo. A polícia desconfiou de Gomes e constatou que ele carregava R$ 106 mil presos ao corpo, inclusive dentro das meias.

O advogado de Lira, Pierpaolo Bottini, sustentou que não há indícios de que o dinheiro apreendido com Gomes fosse resultado do pagamento de propina e nem que Lira tivesse conhecimento de que o então assessor estivesse viajando para transportar esse valor. Bottini disse que, apesar de a passagem de Gomes ter sido comprado com o cartão de crédito de Lira, o deputado não sabia da viagem e que, ao tomar conhecimento do caso, o deputado o teria demitido no dia seguinte.

Leia também: CCJ prorroga prazo para quitação de precatórios a pessoas jurídicas 

Lira já é réu em outro processo, que teve a denúncia recebida pela Segunda Turma do STF em junho. Ele, os deputados Eduardo da Fonte (PP-PE) e  Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e o senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente da legenda, respondem à acusação de integrar uma organização criminosa, no caso conhecido como “quadrilhão do PP”.

RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Unknow (Alguém que ja participou desse sistema Ebenezer e conheceu nos bastidores) on Patrícia Lelis se envolve em mais uma polêmica, ataca seu ex pastor no Twitter
admin on Turpis Nisl Sit
admin on Turpis Nisl Sit